HomePage do CHUC

Home  >>  Centro Hospitalar  >>  Projetos Co-Financiados pela UE    >>  SAMA2020 | Operação nº 000131  | Pharmaciente        

SAMA2020 | Operação nº 000131  | Pharmaciente
Pressione para Imprimir esta pgina...

Ficha de Projeto | SAMA2020 Operação nº 000131  | Pharmaciente
   
Designação do Projeto Pharmaciente
Código do Projeto POCI-05-5762-FSE-000131 
Objetivo principal A operação PhArmaCIENTE encerra uma abordagem completamente inovadora, propondo um novo modelo de operação da farmácia hospitalar (Pharma) centrado no paciente, diluindo as barreiras que o atual modelo implica e aumentando a geração e transferência de conhecimento (CIENTE).
Região de intervenção Centro
Entidade beneficiária CHUC - CENTRO HOSPITALAR E UNIVERSITÁRIO DE COIMBRA, EPE
Data de aprovação  
Data de início domingo, 1 de abril de 2018
Data de conclusão terça-feira, 31 de março de 2020
Custo total elegível 993.647,07 €
Apoio financeiro da União Europeia 844.600,01 €
   
Objetivos O projeto organiza-se em três eixos principais: Processos de Suporte, Farmácia de Proximidade e Utente, interdependentes e de igual relevância para o objetivo final do projeto.
  Processos de suporte
  O objetivo de aproximar o medicamento hospitalar ao utente implicará uma operação logística muito mais avançada do que aquela que o CHUC dispõe à data. Assim, será necessário atuar em vários Processos de Suporte que terão impacto direto, nas seguintes áreas do CHUC: serviços farmacêuticos, dispensa de ambulatório e internamento de serviços clínicos.
  Nos serviços farmacêuticos os principais impactos serão:
  w Reengenharia dos processos core do armazém central de farmácia de forma a capacitá-lo para responder à exigência da nova operação logística;
  w Upgrade às infraestruturas de armazenamento e dispensa existentes;
  w Eliminação do stock disperso em corredores;
  w Implementação de receção e picking digital, com capacidade de rastreabilidade do medicamento;
  w Implementação de tecnologia para identificação do utente no medicamento.
  Na dispensa de ambulatório antecipam-se os seguintes impactos:
  w Redução da necessidade de stock disperso e de elevado valor;
  w Capitalização do tempo diferenciado dos farmacêuticos à melhor prestação de cuidados e à análise integrada de toda a medicação do utente;
  w Redução das filas de espera.
  Nos internamentos de serviços clínicos, obter-se-ão também ganhos como externalidade positiva do projeto. Isto porque, a capacitação de infraestruturas e processos existentes na logística farmacêutica do CHUC repercutir-se-á, em particular, no nível de segurança da administração de fármacos ao utente internado no CHUC.
  Farmácia de Proximidade
  Neste eixo enquadra-se a interligação da farmácia hospitalar do CHUC às farmácias comunitárias (universo de 2800 farmácias) e outras farmácias hospitalares e a ligação de ambas ao utente. Essa interligação será visível com a transferência física dos medicamentos do CHUC para a farmácia de proximidade, e com a interação da farmácia de ambulatório do CHUC com as outras farmácias através, por exemplo, de tele-apoio. Este eixo encerra também a implementação da comunicação com os sistemas centrais existentes, seja com a BDNP em informação relativa à PEM, seja com o INFARMED no reporte de reações adversas.
  Utente
  O eixo do “Utente” contém o objetivo primeiro do projeto: aproximação, autonomização e cooperação do utente no seu processo terapêutico. Neste eixo ocorrerá uma revolução na forma de relacionamento do utente com o medicamento hospitalar. Desde logo, pela proximidade e pela redução do tempo desperdiçado no levantamento de medicação com viagens ao CHUC. Adicionalmente, o portal do utente possibilitará o registo de tomas, a introdução de reações adversas, do grau de satisfação com o plano terapêutico, de outra medicação sujeita, ou não sujeita a receita médica, o que possibilitará uma avaliação conjunta e single-point de toda a terapêutica do utente, permitindo, por exemplo, avaliar riscos de interação e notificação dos mesmos, bem como a adesão à terapêutica.
   
Principais atividades De uma forma genérica, todas as atividades macro são constituídas por subactividades de levantamento, definição e implementação, podendo o levantamento e definição estar conglobados consoante a maior ou menor complexidade da subactividade.
  Gestão Integrada de Projeto - A macro atividade Gestão Integrada de Projeto decorre ao longo de todo o projeto e será a orquestradora entre as várias atividades macro e subactividades em curso, no acompanhamento da execução do projeto, identificando e burilando as questões transversais às atividades e ao relacionamento das diversas entidades e stakeholders envolvidos. A inovação a traduzir pela presente operação quer-se centrada no percurso dos utentes pelo que foi o adotado o uso da metodologia LEAN para ajudar a providenciar valor, eliminar desperdício e elevar o respeito pelo capital humano. Assim considerou-se o acompanhamento de todo o projeto por consultadoria externa nesta área.
  Atualização de Infraestruturas - Pretende-se com esta atividade atualizar infraestruturas obsoletas, aproveitando a possibilidade de prolongar o seu tempo de vida útil através da atualização de componentes de hardware e software, ao que acresce a adição na capacidade de armazenagem, que é imprescindível para suporte aos processos logísticos associados aos produtos farmacológicos a manusear para entrega ao utente.
  Reengenharia dos processos logísticos - Serão analisadas as várias vertentes operacionais de toda a cadeia de valor no circuito logístico, para definição de novos processos a implementar, otimização de processos existentes, em conjunto com otimizações de gestão de espaços, stocks, rotações de stock, entre vários outros pontos.
  Farmácia de Proximidade - No eixo da Farmácia de Proximidade, contempla-se a execução das componentes necessárias para a interligação da farmácia Hospitalar do CHUC com as farmácias comunitárias e outras farmácias hospitalares. Como ponto central desta interligação está a inclusão da interação com o utente na troca da informação imprescindível para a correta informação sobre os tratamentos, bem como a obtenção por parte do utente de informação vital ao acompanhamento, evolução e adesão aos tratamentos. Esta macro atividade está interdependente da dos “Processos de Suporte” no que se refere aos circuitos logísticos. Nesta também se enceta a “Comunicação às Farmácias externas” em ações de divulgação dos processos a implementar entre os vários atores na cadeia de valor da entrega do medicamento em proximidade ao utente. No eixo da Farmácia de Proximidade, também é assegurada a comunicação com os sistemas centrais existentes, seja com a BDNP em informação relativa à PEM, seja com o INFARMED no reporte de reações adversas. 
  Utente - O Eixo do Utente contempla-se como ação os “Canais de Comunicação” onde se insere a disponibilização de meios de comunicação através de aplicações móveis, sendo uma extensão à base criada na interação com as Farmácias de Proximidade. Este vetor, mais do que colocar o utente no centro do processo, municia-o com aquele que se torna cada vez mais a forma comum de interação, estendendo o sistema até ao seu telemóvel e permitindo-lhe confortavelmente a partir deste, efetuar, por exemplo, inquéritos de qualidade de vida (no acompanhamento do seu estado clínico). Ainda neste eixo, e para colocar o utente verdadeiramente em contato com o ecossistema, inclui-se uma componente de “Apoio remoto” que irá implementar meios de contato direto entre a farmácia hospitalar, a farmácia comunitária, o utente e os cuidadores informais do utente. Por último, e ainda focado no utente, inclui-se a implementação de “Inquéritos de Satisfação” irá permitir obter uma avaliação direta dos serviços prestados ao utente, utilizando para isso as mesmas plataformas e meios de comunicação já implementados nas atividades anteriores.
  Administração Segura de Medicamentos - Sendo em parte analisada na reengenharia de processos, considera-se individualizada no que concerne ao seu foco na segurança do utente e na implementação do que são as melhores práticas a nível internacional na execução de Closed Loop Administration.
   
Resultados esperados / atingidos A implementação do PhArmaCIENTE permitirá alcançar ganhos para o SNS e para o Doente em quatro eixos: eficiência, eficácia, qualidade e segurança.
  No eixo da eficiência, e num cenário conservador, contabilizam-se ganhos ao cidadão em 1,4M€ nas deslocações dos doentes ao CHUC para levantamento de medicação hospitalar dispensada em ambulatório. A estes ganhos, particularmente sentidos pelos utentes que verão reduzido o tempo que desperdiçam em deslocações ao Hospital, aumentando a sua própria produtividade, somam-se ganhos para o CHUC no valor de 1,7M€ em redução de stock médio e de tempo despendido na farmácia a ceder os medicamentos. Neste capítulo, existem ganhos diretos, com a redução de dias de internamento, a diminuição de riscos de infeções hospitalares e a redução de quebras de inventário pelo facto de se reduzir o volume de stock.
  Nos eixos da eficácia, qualidade e segurança, a aproximação do medicamento ao utente, e ao mundo real do utente que o PhArmaCIENTE encerra, trará melhorias na taxa de adesão à terapêutica, que atualmente é de 80% e que o projeto pretende melhorar para os 95%. Por outro lado, o projeto irá atuar no indicador de interações muito graves, que atualmente se situa em 1,8% dos doentes com uma ou mais interações em 2016 e que se pretende melhorar para 0,9%. Só estes dois vetores totalizam um ganho de 0,7M€. A estes acresce o vetor da segurança na administração de medicamentos, que uma mera redução em 50% da taxa de incidência de efeitos adversos graves revelada pelos estudos (em 1,8% dos utentes), se traduz num ganho de 1,7M€.
  O PhArmaCIENTE é, portanto, um projeto que encerra um claro benefício para o utente, interno ou externo, ao CHUC, garantindo a sua maior segurança, evitando deslocações desnecessárias e aproximando o medicamento ao mundo real do utente. Para o SNS acreditamos que este projeto será um exemplo e um caso de estudo, pela clara poupança e melhoria de eficiência que traz, por responder ao desafio de uma maior ambulatorização dos cuidados e pelo facto de contribuir decisivamente para a autonomização do doente no seu processo terapêutico. Para a economia nacional será um projeto que trará uma nova visão sobre a relação entre diferentes entidades que, ao colocar o cidadão no centro, conseguem contribuir para o aumento da produtividade do País. 
   

Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra
Praceta Prof. Mota Pinto
3000-075 COIMBRA
PORTUGAL
Telefone: [+351] 239 400 400