A transplantação Hepática em Coimbra – Novos marcos

No passado dia 27 de dezembro, foi realizado no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), o primeiro transplante hepático com um fígado de um dador em paragem cardio-circulatória, proveniente de Espanha, tendo sido utilizado numa doente jovem, com um quadro de falência hepática aguda, para a qual não foi possível alocar um enxerto colhido em Portugal em tempo útil. A doente já teve alta para domicílio.

Alexandre Lourenço, Presidente do Conselho de Administração da Unidade Local de Saúde (ULS) de Coimbra, destaca a importância deste primeiro transplante hepático com um fígado proveniente de um dador em paragem cardio-circulatória e refere que esta conquista “representa um avanço na busca pela otimização dos recursos disponíveis e pela oferta de uma melhor qualidade de vida aos nossos doentes”.

A Coordenadora da Unidade de Transplantes Hepáticos de Adultos (UTHA), Dulce Diogo, dá nota de que “no ano de 2023 se registou, no CHUC, a atividade mais elevada de sempre na transplantação ao atingir 88 transplantes hepáticos, com 79 transplantes realizados em recetores adultos e nove transplantes realizados em recetores pediátricos, só comparável com o ano de 2016 em que foram realizados 78 transplantes hepáticos”.

Desde o inícioi do programa da transplantação hepática no CHUC até dezembro de 2023, foram realizados 1.679 transplantes, sendo que 307 são pediátricos (18% do total de transplantes), 33 em dador vivo e nove splits (desde 2012) de lobos direitos utilizados em doentes adultos no CHUC e seis enviados para outros centros.

No mês em que também se celebram os 30 anos da transplantação hepática pediátricaii, (próximo dia 20 de janeiro) o Presidente do Conselho de Administração da ULS de Coimbra, Alexandre Lourenço, refere que “estes significativos marcos demonstram a competência e dedicação das equipas das Unidades de Transplantação Hepática de Adultos e Pediátrica envolvidas nesta área tão complexa e desafiante, que muito têm contribuído para o reconhecimento da nossa instituição no campo da transplantação hepática”.

Portugal é um dos líderes internacionais e ocupa os primeiros lugares na doação em morte cerebral 3º lugariii, com 30,8/pmh (dados do ano de 2022); registe-se também que a taxa de transplantação hepática de adultos na Região Centro ultrapassa largamente a taxa média nacional.

 

Partilhar: